12 de mar de 2018

[Dicas para escrever] Tá na mesa! Refeições como ferramenta narrativa


A cena acima é de um jogo do Playstation 1 chamado Grandia. Mesmo se você for gamer, talvez não conheça esse RPG e eu não te culpo. Grandia é uma pérola oculta do PS1, um lançamento menor ofuscado pelas franquias famosas. Um elemento interessante nesse jogo é que em vários momentos os personagens se reuniam em volta da mesa, ou em torno da fogueira do acampamento, ou ainda num piquenique e conversavam sobre a próxima etapa da missão, contavam histórias, trocavam opiniões, flertavam... Enfim, estreitavam os laços entre si.

Eu gostava tanto dessas sequências que ficava esperando por elas, e as incorporei à minha narrativa. Abra qualquer livro meu e vai encontrar pelo menos duas ou três cenas em que os personagens estão trocando ideias enquanto matam a fome.

Não importa se você está escrevendo fantasia medieval, ficção cientifica, drama de época ou um romance romântico nos dias atuais, existem várias razões para dar mais atenção à dieta dos seus personagens.

HUMANIZAÇÃO

Há uma passagem em Boneca de Ossos na qual Zach, morrendo de fome e sede, se sente enganado pelos livros que leu, já que os aventureiros não costumavam ter esses problemas. E em Jogos Vorazes (no livro), Katniss passa maus bocados tentando encontrar uma fonte de água, o que me leva de volta à Grandia.

A razão que me fazia curtir as cenas de refeição é que isso me aproximava dos personagens. Eu me sentia como parte do grupo. Essa é uma forma simples de tornar seus personagens mais humanos, seja através de fome ou sede numa aventura, ou seja numa pausa para o café durante o expediente do escritório.

PERSONALIDADE

Imagine que Bob e Alice combinaram de lancharem juntos. Ele pede um x-búrguer duplo e um copo grande de refrigerante, ela pede suco natural e salada.

Aposto que você já começou a formar uma imagem dos dois. O x-búrguer duplo de Bob mostra que ele gosta de fast food e pode até passar um pouco do ponto (um hambúrguer comum poderia não transmitir a mesma ideia). Também ficou claro que Alice prefere comida saudável, e se ela estiver usando roupa de academia vai ser ainda mais nítido para os leitores que essa personagem gosta de se cuidar.

A cena continua e outro amigo aparece, Carlos, que pede uma taça de sorvete com molho de pimenta como cobertura (eu nunca experimentei, é só um exemplo). Esse pedido um tanto diferente ajuda a criar a imagem de Carlos como um individuo excêntrico ou, no mínimo, uma pessoa curiosa.

Todas essas informações foram transmitidas apenas através do lanche que pediram, os personagens nem abriram a boca ainda.

CLASSE SOCIAL

Esse é básico. Quanto mais rica é uma pessoa, mais opções ela terá à mesa. e quanto mais pobre, mais vazia é a dispensa.

Um bom exemplo do primeiro caso vem de O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei, quando o regente Denothor II se empanturra com uma ceia farta, enquanto a guerra corre solta e inocentes morrem.

No outro extremo, temos a famosa parábola bíblica O Filho Pródigo, onde a miséria de um jovem é tão grande que ele come a lavagem dos porcos.

AMBIENTAÇÃO

Às vésperas da Copa do Mundo de 2014 pipocaram no Youtube vídeos mostrando jornalistas estrangeiros provando pães de queijo, feijoada e até guaraná pela primeira vez. Por mais que esses pratos estejam presentes no nosso dia a dia, são incomuns na maioria dos países.  Outro exemplo é um episódio de Friends no qual todos fazem careta para uma das sobremesas mais comuns no Brasil: pudim.

Da mesma forma, nos surpreende a variedade de frutos do mar disponível nos restaurantes japoneses, incluindo o famigerado sushi. Mas levando em conta que o Japão é composto por ilhas, nada mais natural do que comer peixe. Felizmente, para ambientações contemporâneas não é difícil pesquisar os pratos mais consumidos no resto do mundo.

O cardápio típico de um país, ou mesmo de uma região, pode ajudar a dar maior contexto à ambientação, tornando o mundo mais real. No começo do meu livro Arcanista, Marcel e seus amigos aparecem na cantina da escola comendo sanduíches inteiramente sintéticos. Sim, até o tomate e a alface eram artificiais. Mais tarde, na Cidade Baixa, todas as refeições que ele faz são caseiras. As frutas e verduras foram colhidas em hortas de fundo de quintal e mesmo os pães são feitos em casa.

Escrevi dessa maneira para ressaltar as características de cada cenário, e também as diferenças entre os dois locais. De um lado, temos uma região de tal modo industrializada e distante da natureza que até mesmo as refeições são totalmente artificiais. Em contrapartida, na outra região o nível de industrialização é tão baixo que tudo é natural.

A alimentação também está intimamente relacionada ao período em que a trama se passa. Qualquer leitor de As Crônicas de Gelo & Fogo sabe que pão preto é o alimento mais comum em Westeros. Na verdade, pão preto era bastante consumido durante a Idade Média real, uma prova que George R. R. Martin fez a lição de casa.

É claro que em cenários com uma maior presença de elementos fantásticos é possível incrementar o cardápio com pratos que não existem fora do livro. Por exemplo: filé de grifo.

E em cenários futurísticos? Nesse caso, vale pesquisar, mas também fica muito por conta do autor. As refeições serão parecidas com as nossas ou serão totalmente diferentes? Vamos comer pílulas? E o que será que se consome em outros planetas? Aqui a criatividade é o limite.
---

Enfim, isso é só uma arranhada no tema. Eu poderia ficar horas falando sobre comida (deve ser por isso que estou acima do peso), mas acredito que já deu para pegar a ideia. Na próxima vez que chegar a hora do almoço no seu livro, pode valer a pena passar alguns minutos a mais pensando no que tem pra comer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário