14 de jan de 2019

Melhores de 2018

2018 já passou e para quem ainda não conferiu, o top com meus favoritos do ano na cultura pop já está disponível no meu canal. Aí embaixo seguem os links com os escolhidos dos anos anteriores, além dos destaques deste ano.

Melhores de 2017 / 2016 / 2015 / 2014 / 2013 / 2012

31 de dez de 2018

[Resenha] A Alcateia, de Glauco J. S. Freitas

Ambientado em Curitiba, A Alcateia é mescla terror, investigação policial, mitos e lendas sobrenaturais, demônios bíblicos e outros elementos, ao estilo do que fazem obras como Arquivo-X e Supernatural.

Quando diversos jovens são assassinados em rituais de magia negra, o caso vai parar nas mãos do investigador Flávio Patrezzi e de seu companheiro, Alexandre Matsui, uma espécie de caçador de monstros moderno. À medida em que sem embrenham nesse mistério, os dois irão deparar-se com um universo repleto de entidades sombrias, cultistas, seres abomináveis e muito mais.

11 de dez de 2018

[Resenha] O Encanto de Lerfreut, de M. F. Baladore

Lerfreut é uma nação próspera, onde a magia faz parte do dia a dia das pessoas. Porém, por trás dessa perfeição, escondem-se leis injustas e os problemas internos da família real. Todo o encanto desse mundo pode se perder quando a escuridão começa a se espalhar e almas perdidas surgem para causar destruição.

É nesse contexto que vamos conhecer os filhos do governante de Lerfreut: o casal de gêmeos Leonheart e Everlin. Ele é o herdeiro, mas também é dono de uma personalidade insegura, muito pelo fato de temer o preconceito do pai caso revele sua homossexualidade. Ela é uma moça um tanto mimada e sem amigos, cuja única preocupação real é seu irmão.

Além do avanço da escuridão, a rotina da família também é balançada pela chegada de Bluwen, um jovem estrangeiro dotado de grandes poderes mágicos. Da atração entre ele e Leonheart surge o principal romance do livro.

3 de dez de 2018

[Indicação de game] Spider-Man


Se balançar entre os prédios de Nova York é uma sensação única, algo que você não vai encontrar em nenhum outro jogo. É incrível como essa mecânica funciona de forma natural, fluída e intuitiva. Zerei esse game com mais de 30 horas e mesmo depois de tanto tempo, cruzar a cidade por cima continuou sendo uma experiência tão divertida quanto na primeira hora.

Ufa... Agora que já tirei isso do peito, podemos continuar.

Com Spider-Man, a proposta do estúdio Insomniac Games e da Marvel era de criar um game definitivo do Homem-Aranha, fazendo por ele o mesmo que a série Arkham fez com o Batman. Acho que a missão foi cumprida com louvor.

26 de nov de 2018

[Resenha] Horas Macabras, de Fréia Crivelaro

Hoje venho falar com vocês sobre um conto sinistro. Horas Macabras é o trabalho de estréia de Fréia Crivelaro e a autora já chega mostrando à que veio.

Aqui conhecemos Sara, uma mulher perdida num pesadelo sem fim, ao ponto de que não consegue mais saber se está dormindo ou se está acordada. Para piorar a situação, uma força terrível pode estar por trás de seus sonhos, os quais podem ser mais reais do que ela imagina.

Por se tratar de um conto rápido, não há muito que eu possa falar sobre a trama sem dar spoilers, mas posso dizer que gostei muito do conto e cheguei ao final da leitura com o coração na mão. O texto de Fréia Crivelaro é bastante fluído e cria cenários fortes sem apelar em momento algum.

14 de nov de 2018

[Resenha] Meia Guerra, de Joe Abercrombie

 

"Todo herói é o vilão de alguém."

Hora de viajar ao Mar Despedaçado pela última vez. Meia Guerra é a conclusão da trilogia de Joe Abercrombie. Aqui no blog eu já falei do primeiro volume, Meio Rei, e do segundo, Meio Mundo. Vamos agora conferir o final da série.

A guerra enfim se aproxima, à medida que o Rei Supremo reúne meio mundo para lutar contra a frágil aliança entre Uthil e Grom-gil-Gorm. Em sua marcha, os invasores arrasam com o pequeno reino de Throveland e matam o rei, porém, a princesa Skara consegue escapar com vida e pede ajuda à sua prima, ninguém menos que a rainha Laithlin. Agora, sofrendo pressões de todos os lados, Skara terá que aprender a ser rainha e a jogar os jogos de poder para salvar seu reino.

22 de out de 2018

[Resenha] Esquadrão X, de Vivian Villalba

Cem anos após uma invasão alienígena, a Terra encontra-se num estado de alerta constante. Nunca se sabe quando e onde um ataque pode acontecer. Para combater os invasores foi criado um exército unificado e cada família deve ceder um de seus filhos para o serviço militar.

A história do livro começa no momento em que uma jovem chamada Roxanne, ou simplesmente Roxy, está passando por um processo seletivo. Após uma entrevista, ela é designada para o Esquadrão X, famoso pelas missões em que se envolve e também por sua líder: a carismática Major.

A partir daí, a trama avança mostrando o treinamento de Roxy, e mais tarde, suas missões e confrontos contra os invasores alienígenas. Sempre com um grande enfoque na interação de Roxy com seus colegas de equipe: Max, Cat e Maya, além da Major.