31 de jan de 2015

[Resenha] A Fúria do Assassino, de Robin Hobb

Terceiro (e último) volume da Saga do Assassino (The Farseer Trilogy), A Fúria do Assassino fecha a série criada pela autora Robin Hobb (Margaret Astrid Lindholm Ogden), iniciada em O Aprendiz de Assassino e que teve continuação em O Assassino do Rei. Essa resenha contém spoilers dos volumes anteriores, mas não deste.

A Fúria do Assassino começa pouco depois do desfecho de O Assassino do Rei: a busca de Veracidade pelos Antigos deu início a uma luta desesperada de FitzCavalaria para impedir a ascensão de Majestoso ao trono, mas ele acaba sofrendo uma derrota que lhe custa tudo, inclusive a vida.

Vamos reencontrar Fitz após seu milagroso retorno da morte como um homem sombrio e amargurado, assombrado pelas consequências de seu fracasso e tendo de se esconder daqueles que ama. Ao mesmo tempo, o caos toma conta dos Seis Ducados. Enquanto os Navios Vermelhos dão início a uma invasão total, Fitz e Olhos-de-Noite partem numa viagem com dois objetivos: assassinar Majestoso e encontrar Veracidade, onde quer que esteja.

E assim, chegamos ao final da saga de FitzCavalaria Visionário. Quem já leu algumas séries literárias sabe que o encerramento costuma ser um momento delicado e este livro não é uma exceção à regra. A Fúria do Assassino difere dos volumes anteriores em vários aspectos, sendo o mais fantasioso em uma série que se caracterizou por manter o pé no chão. Felizmente, essa transição de atmosfera é feita de forma bastante competente pela autora, sem atrapalhar a experiência.

As intrigas de poder e a Torre do Cervo (onde a maior parte da história havia se passado até então) saem de cena para dar lugar a um dos elementos mais tradicionais da literatura de fantasia: a jornada. A longa viagem de FitzCavalaria nos permite ver como a invasão e a sucessão de poder afetaram a gente comum dos Seis Ducados. Naturalmente, essa mudança de foco trouxe uma dúzia de personagens novos, enquanto velhos conhecidos ficaram de lado: Moli, Bronco, Breu e Paciência pouco aparecem.

Dos novos rostos, os maiores destaques são Panela, uma mulher idosa e cheia de segredos; e Esporana, uma jovem e bela menestrel errante que se tornou uma das minhas personagens favoritas de toda a série.

Se por um lado, tantas mudanças expandem a ambientação de uma forma bem vinda, durante a primeira metade do livro fiquei sempre com a sensação de estar lendo outra coisa e não a Saga do Assassino. Porém, soa mais como um conto de FitzCavalaria a partir do retorno de Bobo e também de Kettricken, que mais uma vez, prova ser uma das melhores personagens femininas da literatura fantástica.

Mas se há algo que me incomodou foi o fato de Rosamaria ter desaparecido da história. No começo do volume, Fitz reafirma suas suspeitas de que ela seja uma espiã e assassina; essa dúvida, porém, nunca é comprovada, nem desmentida já que Rosamaria sequer volta a ser citada, ficando a impressão que a autora simplesmente a esqueceu. Isso não chega a prejudicar a leitura, mas ainda assim, é um ponto negativo.

Os capítulos finais do livro levam a reflexões muito interessantes sobre a natureza das relações humanas e o clímax ganha um tom épico que eu jamais teria esperado.

Apesar da mudança de ambientação causar estranheza no início, A Fúria do Assassino fecha com chave de ouro essa excelente série! Mais que recomendado!

A FÚRIA DO ASSASSINO
Autora: Robin Hobb
Páginas: 832
Lançamento: 1998 (no Brasil, 2014)
Editora: LeYa

Nenhum comentário:

Postar um comentário