7 de jun de 2014

[Resenha] O Aprendiz de Assassino, de Robin Hobb

Apesar de lá fora, Robin Hobb ser uma referência em literatura fantástica, admito que nunca tinha lido nada da autora e confesso que essa obra só  entrou na minha lista pela sinopse, que me lembrou uma série de games da qual sou fã: Assassin’s Creed (de fato, eu não me surpreenderia se descobrisse que os jogos foram baseados nesse livro).  No fim, o resultado foi uma leitura que me surpreendeu e me agradou em vários aspectos!

Escrito por Robin Hobb — um dos pseudônimos da autora Margaret Astrid Lindholm Ogden — e publicado originalmente em 1995, O Aprendiz de Assassino é o primeiro volume da Saga do Assassino (The Farseer Trilogy).

O livro conta a história do jovem FitzCavalaria Visionário. Filho bastardo do príncipe Cavalaria, o garoto é levado para viver em Torre do Cervo, onde acaba sendo criado pelo cocheiro Bronco. Visto por muitos como um intruso na corte e considerado responsável pela queda de seu pai, Fitz é designado pelo Rei Sagaz para se tornar discípulo do misterioso Breu e ser treinado na arte do assassinato diplomático, ou seja, executar alvos políticos sem deixar vestígios. Ao mesmo tempo, os reinos dos Seis Ducados são assolados pelos ataques cada vez piores dos Navios Vermelhos, que deixam para trás cidades arrasadas e vitimas reduzidas a um estado selvagem.

Embora possa ser classificado como fantasia medieval, O Aprendiz de Assassino é mais pé no chão do que a maioria das obras do gênero. A ambientação é muito mais próxima de como a vida na idade média deve ter sido realmente, com a lama e o luxo convivendo lado a lado. Existem duas habilidades fora do normal que estão mais para poderes psíquicos do que magia: o Talento, uma espécie de telepatia avançada e prestigiada; e a Manha, que é a capacidade de se conectar com as mentes de pessoas e animais.

Ainda sobre esses poderes especiais, consta que O Aprendiz de Assassino nasceu de uma ideia básica de Robin Hobb: “e se a magia fosse viciante?”. Assim, o Talento e a Manha exercem um efeito quase intoxicante no usuário. O melhor reflexo disso é Veracidade.

O livro é narrado em primeira pessoa em tempo passado. Tudo indica que se trata de um Fitz maduro e calejado nos contando a história de sua vida. É notável como a autora conseguiu captar com perfeição os anseios e frustrações de um garoto adolescente, em especial no que diz respeito à relação de Fitz e Moli Veleira, seu primeiro amor. É difícil não simpatizar com o jovem e sua trajetória difícil. Tirando uma aptidão natural para a Manha (habilidade que não é muito bem vista), o rapaz é uma pessoa comum obrigada a enfrentar uma dura e sofrida jornada. Uma curiosidade é que ele jamais chega a conhecer o pai.

A narrativa evolui num ritmo devagar, mas envolvente. Os cenários são descritos em detalhes e de forma a fazer o leitor mergulhar no ambiente, enquanto as descrições de personagens fazem um belo uso de meta-linguagem, baseando-se nas impressões que causam e não na aparência. Como vocês já devem ter percebido, a maioria dos nomes tem significados ligados à personalidade. Méritos para a editora Leya, que acertou em traduzir os nomes para o português, caso contrário, os mesmos teriam perdido muito de sua força.

Antes de terminar, vale destacar que os amantes de cachorros têm um  par de razões a mais para ler essa obra: Narigudo e Ferreirinho, os dois cães de Fitz. Mais que mascotes, ambos são personagens realmente importantes no livro. Com uma boa narrativa, personagens interessantes e um clímax eletrizante, O Aprendiz de Assassino é uma excelente leitura e superou minhas expectativas. Recomendado!

A Saga de FitzCavalaria continua em O Assassino do Rei

O APRENDIZ DE ASSASSINO
Autora: Robin Hobb
Páginas: 416
Lançamento: 1996 (no Brasil, 2012)
Editora: Leya

Nenhum comentário:

Postar um comentário