25 de ago de 2012

Antologia de contos - História Fantástica do Brasil vol.3

História Fantástica do Brasil é um projeto da editora Estronho que já teve dois volumes: Guerra dos Farrapos e Inconfidência Mineira. Os contos reunidos apresentam uma mistura de fatos históricos reais com elementos de fantasia.

Agora esse projeto chega ao seu terceiro volume: Guerra do Paraguai.

Abaixo segue um trecho da sinopse de História Fantástica do Brasil. Para os interessados em participar, as inscrições já estão abertas. Boas escritas!

Que tal se pudéssemos voltar no tempo e apimentar um pouco mais a história do nosso país? E se povoássemos as linhas de nossos livros didáticos, com lobisomens, vampiros, fantasmas, feras e criaturas vindas das florestas e dos cantos mais obscuros do Brasil?


A Editora Estronho convida você a soltar suas insanidades, misturá-las com a nossa história e brincar com nosso passado. E para começar nossos estudos, vamos dar uma volta pela Guerra dos Farrapos e Inconfidência Mineira, que serão lançados em abril de 2012.

Mas ainda teremos outros volumes e você poderá participar, enviando a sua versão de acontecimentos históricos. [continue a leitura]

12 de ago de 2012

Light Novels e o problema da expectativa do leitor

Abaixo seguem alguns trechos de uma ótima coluna no site da Revista Fantástica. O tema gira em torno de light novels (clique aqui se você ainda não conhece), e principalmente analisa porque esse formato ainda não conseguiu emplacar no Brasil. Ao final do texto, tem uma boa lista de links para quem quiser saber mais sobre light novels ou procura algumas dicas de leitura.


O sucesso dos mangás e dos animes no Brasil, em questão de uns dez anos pra cá, transformou o gosto pela cultura pop japonesa de coisa de nicho em algo comum – assim como aconteceu com a própria cultura nerd e geek, com os videogames, RPGs e até, um pouco antes, com as histórias de ficção e fantasia no geral.

Agora não é mais tão raro ver pessoas, na maioria jovens, lendo os quadrinhos japoneses no metrô, no ônibus ou em demais locais de espera e de trânsito (...) paralelamente, o próprio mercado literário brasileiro vem entrando em franca expansão, e contando com um público cada vez mais aberto e receptivo.

Ou seja, o pessoal curte coisas do Japão, e curte ler. Um prato cheio pra introduzir no mercado um formato de publicação que una ambos os interesses: é só publicar, que vai bombar!

Em 2006, foi introduzido no mercado brasileiro esse novo gênero que une romance (prosa) com ilustrações e características típicas dos quadrinhos japoneses. (...) Alguém aqui se lembra dos títulos...? [continue a leitura]

3 de ago de 2012

[Resenha] O Cavaleiro das Trevas Ressurge

AVISO: O texto abaixo NÃO contém spoilers. Aprecie sem moderação.

Desde que posso me lembrar, Batman sempre foi meu herói favorito (com uma ajuda do SBT, que na época exibia a impagável série protagonizada por Adam West e Burt Ward). Razão pela qual, vibrei com Batman Begins (2005). O Cavaleiro das Trevas (2008) dispensa comentários. E assim chegamos a 2012 e ao encerramento da trilogia de Christopher Nolan com Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge.

Tudo o que posso dizer é: sensacional! Cinema de primeira! Estamos falando de uma obra que vai além do rótulo de "filme de super-herói". Nem mesmo cabe a discussão se é melhor que Os Vingadores. São propostas muito diferentes. O filme da Marvel é puro entretenimento (e entretenimento de primeira), enquanto O Cavaleiro das Trevas Ressurge, tem algo mais a dizer.

É claro que alguns fanboys hardcore vão torcem o nariz para certas mudanças. O Bane dos quadrinhos pode ter um visual legal (confira), mas também é um personagem extremamente limitado. Tanto que desde o fim da saga A Queda do Morcego (publicada há quase 20 anos) não fez mais nada digno de nota. Sua nova versão ficou bem mais interessante e com profundas ligações com o Nolanverse.

Já a Mulher-Gato de Anne Hathaway está linda e sexy, porém, nem de longe é tão fetichista quanto outras encarnações da personagem. Ela está lá porque tem um lugar na trama, não apenas para oferecer uma distração visual.

Mas acredito que o que mais vale destacar no capítulo final da trilogia é exatamente o fato de ser um capítulo final. Chris Nolan contou sua história do Batman com maestria e trouxe uma conclusão para sua saga. Sim, em seus filmes ele fez alterações, porém sempre foi fiel ao espírito e a essência do Homem-Morcego.

Como eu disse acima, não estamos falando de um "bom filme de super-herói". O terceiro Batman é um grande filme. Ponto.