7 de fev de 2012

Antologias do dragão

Fechando (ao menos por enquanto) essa série com um apanhado sobre as antologias em aberto, hoje vamos falar sobre a editora Draco, que ao lado das editoras Infinitum, Estronho e Literata, eu considero serem as principais referências em antologias de contos no Brasil, e logo, são aquelas que me parecem mais sérias e confiáveis.

Cada volume terá 128 páginas, com 6 histórias de 20 páginas. Em breve divulgaremos os selecionados para os primeiros números, que serão publicações em formato de álbuns para livrarias, ou seja, a ideia não é a distribuição em bancas, mas nas grandes redes de livrarias ou casas especializadas. Envie a sua submissão por e-mail editoradraco[arroba]gmail.com em PDF ou imagens em JPG (no mínimo 150 dpi para avaliação e 300 dpi caso seja aprovado) com o assunto [IMAGINÁRIOS HQ]No seu e-mail deve conter: Sinopse e resumo da história (contando tudo o que acontece, não um texto que instigue a leitura). O roteiro completo e com exatas 20 páginas (nem mais, nem menos), mas para as artes em preto e branco (ou uma cor, se preferir) poderão ser apresentadas apenas 3 páginas finalizadas acompanhadas de um link de portifólio atualizado do artista responsável. A história deve ser de algum dos gêneros de fantasia, ficção científica e terror, ou juntar tudo! A imaginação é o principal quesito e estamos ansiosos a conhecer os mais diversos enredos. [continue a leitura]

Para quem gosta de escrever fantasia medieval e é fascinado pelos mitos arturianos, a Editora Draco tem um convite irresistível. Revisite seus livros e filmes favoritos, encha-se de inspiração e envie um conto baseado no universo do Rei Artur e seus cavaleiros para apreciação na antologia Excalibur, que está sendo organizada por Ana Lúcia Merege e Erick Santos Cardoso. O mito tem várias vertentes. Alguns estudiosos falam de um Artur histórico, possivelmente um líder guerreiro que lutou contra a invasão dos saxões na Bretanha romanizada. Sua figura aparece de forma quase mítica na literatura celta tradicional, em especial a do País de Gales. Por fim, existe o Artur criado na Idade Média a partir dos relatos do escritor Geoffrey de Monmouth, que deram origem aos romances de cavalaria e forneceram as bases para a maior parte da literatura arturiana surgida desde então. [continue a leitura]

Desde os tempos de José de Anchieta, no século XV, as lenda se mitologias do Brasil vem despertando curiosidade e interesse. Seres como o Curupira, o Saci, o Boi-Tatá, o Capelobo, a Cobra Grande e muitos outros parecem ter inspirações das mais diversas. Embora o trabalho de Monteiro Lobato em sua série, O Sítio do Pica-Pau Amarelo tenha contribuído para preservar e divulgar essa mitologia brasileira,a exploração desses mitos por outros autores e gêneros, como o terror, ainda é tímida no Brasil, se compararmos ao grande volume de histórias que americanos, europeus e asiáticos fazem de suas próprias lendas e mitologias. [continue a leitura]

As tramas tanto podem ser ambientadas em cenários históricos alternativos quanto em futuros próximos ou remotos. Como imaginação está aí para isto, não é inconcebível se pensar em enredos “solarpunks”, conforme os conceitos esboçados acima, ambientados em cenários mais típicos do horror ou da fantasia. Desta forma, pretendemos reunir na antologia Solarpunk contos e noveletas de ficção científica, história alternativa, horror ou fantasia escritos em bom português, com fins de publicação pela editora Draco em 2012. [continue a leitura]

Nenhum comentário:

Postar um comentário