24 de fev de 2010

Frank Miller: ex-gênio ou ruim de próposito?


Outro dia participei de um debate no blog Roteiro de Quadrinhos sobre Frank Miller. Em uma resenha da graphic novel Batman: O Cavaleiro das Trevas 2 veio à tona a questão se Miller ainda é o velho gênio de outrora.

Pra quem não tá entendendo nada, aqui vai o resumo da ópera.

Frank Miller é roteirista/desenhista. Sua era de ouro foi durante as décadas de 1980 e 90, quando, ao lado de feras como Alan Moore e Neil Gaiman, promoveu uma revolução nos comics, introduzindo o conceito de quadrinhos para adultos.

Nesse tempo, Miller produziu Batman: O Cavaleiro das Trevas, 300, Sin City, A Queda de Murdock, e (sem a mesma badalação, mas com a mesma qualidade) Ronin e Marta Washington.

Todas essas histórias são clássicas! E o que elas têm de tão íncrivel? Você pode perguntar. Além da estética inconfundível de Miller, essas obras se destacam pela sua narrativa cinematográfica. Em O Cavaleiro das Trevas, o roteiro mergulha fundo na psicólogia do Homem-Morcego, mostrando um grande duelo entre Bruce Wayne e Batman. Já 300 é um deleite visual, cheia de páginas duplas e splash pages.

Então vieram os anos 2000 e começaram os problemas. De lá pra cá, Frank Miller não fez nada que prestasse, mas para seus ferrenhos defensores, há um motivo para isso: supostamente, ele quer provar que, atualmente é possível vender horrores, mesmo com uma história horrorosa. Em outras palavras, Frank Miller está sendo ruim de próposito.

Primeiro foi O Cavaleiro das Trevas 2, que nada tinha de brilhante ou genial, na verdade, a história mais parece algum roteiro de Super Amigos, cheia de cores berrantes e diálogos vazios. Mais recentemente, Frank se juntou ao ótimo desenhista Jim Lee para criar All-Stars Batman & Robin, a idéia era repaginar a origem da Dupla Dinâmica, mas na prática temos um série que se apóia em mulheres semi-nuas e violência sem sentido. Além de algumas passagens ridiculas, como quando Batman se pinta da cabeça aos pés de amarelo para bater de frente com o Lanterna Verde (Santa falta de noção, Batman!)

Nem vou falar do filme Spirit, adaptação da obra suprema do mestre Will Eisner. Miller escreveu o roteiro, dirigiu o filme e cuspiu na lâpide de seu mentor.

Pra mim, essa história de ruim de próposito não cola. Em sua grande fase, Miller não precisava de justificativa para ser lido, ele era um gênio! Ponto. Tudo isso só prova que a tietagem só vê aquilo que quer ver. Fica aqui a expectativa de que algum dia Frank se canse dessa "brincadeira" e volte a ser bom de próposito.

3 comentários:

  1. Já eu acredito que seus trabalhos são muito bons. Dark Knight 2 é uma ótima obra, com indiscutível qualidade, mas em comparação com o primeiro DK, não é tão boa assim. É quase impossível hoje não criticar o trabalho de Miller baseado nas suas obras mais antigas, no seu auge criativo, seus melhores trabalhos. Mas a verdade é que mesmo com uma qualidade inferior, seus trabalhos mais recentes estão acima da média da maioria encontrada.

    ResponderExcluir
  2. Tá ai a opinião do Caio.

    Álias, aqui tem a análise que levou a todo esse debate.

    http://roteiroquadrinhos.blogspot.com/2010/01/cavaleiro-das-trevas-2-obra-prima-que.html

    ResponderExcluir