27 de set de 2014

The Leftovers - 1ª temporada

Quando se fala em The Leftovers, há quem pense que a presença do produtor Damon Lindelof faz dessa série um novo Lost, ou seja, uma trama de mistérios que nunca serão resolvidos. Bom, para quem pensa em assistir esta série, meu conselho é: esqueça Lost, apenas tire da cabeça. Os dois shows nada tem em comum.

Dito isto, The Leftovers é uma adaptação para a TV do livro homônimo de Tom Perrota. O autor assina a co-produção do show e também alguns episódios. Produzida pelo canal Showtime, essa primeira temporada conta com 10 episódios.

A trama começa três anos após um evento conhecido como Arrebatamento, quando 2% da população mundial simplesmente desapareceu sem qualquer explicação, deixando para trás uma sociedade confusa e alquebrada, mergulhada em uma crise existencial que afeta a todos, sem exceção. O que restou para aqueles que ficaram é tentar seguir com a vida em um mundo onde tudo parece ter perdido o sentido.

Estamos em Mapleton, uma pequena cidade suburbana nos arredores de Nova York, que perdeu 100 pessoas no dia do Arrebatamento. É nesse cenário, onde todos conhecem todos, que transitam nossos "heróis". A história se foca na família Garvey, que aparenta não ter perdido ninguém, mas, ainda sim, desmoronou após a data fatídica.

O protagonista da série é Kevin Garvey (Justin Theroux), o chefe da polícia local, que trava uma batalha interna contra a insanidade. Ele sofre "apagões" cada vez mais frequentes e, quando acorda, está em um lugar diferente sem se lembrar de como chegou lá ou o que fez pelo caminho. Kevin vive com a filha adolescente Jill (Margaret Qualley). Problemática e auto-destrutiva, Jill busca apoio em Aimee (Amilly Meade), uma jovem misteriosa que nunca fala da família e praticamente mora na casa da amiga.

Ainda temos, Tommy (Chris Zylka), o filho adotivo dos Garvey, que fugiu de casa para seguir um sujeito chamado Wayne (Paterson Joseph), que se diz um profeta. Perseguido pelo FBI, Wayne encarrega Tommy de proteger sua namorada grávida, Christine (Annie Q).

Para completar, temos Laurie Garvey (Amy Branneman), a ex-esposa de Kevin. Após o Arrebatamento, Laurie abandonou a família para se juntar aos Remanescentes da Culpa. Uma espécie de seita onde todos se vestem de branco, fumam cigarros e são proibidos de falar, comunicando-se através de mensagens em bloquinhos. Os Remanescentes são o elemento mais emblemático da série. De início, podem até despertar certa simpatia pela forma como são perseguidos e agredidos nas ruas, mas a medida que o tempo passa, eles se mostram mais e mais como grandes filhos da mãe!

Outros dois personagens merecem um destaque especial: o reverendo Matt (o ex-Doctor Who Christopher Eccleston) e sua irmã, a assistente social Nora (Carrie Coon).

Matt está convencido que o Arrebatamento não foi uma obra de Deus e tenta provar isso através de panfletos difamatórios, mostrando que muitos dos arrebatados não eram pessoas de boa índole. É um homem que luta para restaurar a fé de sua comunidade, mesmo que tenha que sujar as mãos de vez em quando. Já Nora é quem mais foi afetada pelo Arrebatamento: ela perdeu toda a família (marido e um casal de filhos). Mais adiante, descobrimos que à dor da perda que ela sente, também se soma um sentimento de culpa.

Como dá pra ver, The Leftovers apresenta um mosaico de personagens bem complexo. O próprio Arrebatamento permanece em segundo plano. Para onde as pessoas foram? Por que foram? Talvez nunca saibamos as respostas, mas não importa. Esse não é o tema da série.

Fica evidente o cuidado na escolha do elenco. Todos estão bem à vontade em seus personagens e temos algumas excelentes performances. Destaque para Justin Theroux, Carrie Coon e Ann Dowd (como Patty, a líder dos Remanescentes).

A série ainda se arrisca a fazer algumas experimentações. No 3º episódio, a família Garvey é colocada um pouco de lado e o foco caí quase que exclusivamente em Matt e sua jornada pessoal. O mesmo acontece no episódio 6, focado em Nora. Já no episódio 9, temos uma volta ao passado, aos momentos que antecederam o Arrebatamento (mas mesmo sendo um prelúdio, não recomendo ver esse episódio antes dos demais).

Pra concluir esse post, que ficou maior que esperava, The Leftovers é um drama complexo e sem soluções simples. É uma série que não tem medo de arriscar e conseguiu encontrar sua própria linguagem. Mais que recomendada!

20 de set de 2014

E-Livros Grátis (ebooks para download gratuito)

A dica de hoje é para quem procura um site com um bom acervo de e-books para baixar e também para novos autores que, assim como eu, procuram formas acessíveis de divulgar seus livros eletrônicos.

O E-Livros Grátis oferece o download de obras da literatura nacional clássica e moderna, literatura estrangeira, infanto-juvenil, crônicas, acadêmicos, filosofia e inúmeras outras opções. É importante destacar que não se trata de um site de pirataria: os livros encontrados no site são de domínio público ou foram disponibilizados pelos próprios autores.

Eu mesmo já publiquei Serpente de Fogo por lá. Quem quiser fazer o mesmo, basta seguir as regras de envio do E-Livros.


Boas leituras!

6 de set de 2014

Top 5 - Bons Livros Que Renderam Bons Filmes

Não é de hoje que o cinema busca inspiração na literatura. Não é difícil ver adaptações que causam calafrios nos leitores, mas também existem muitos bons exemplos parcerias livro/filme bem sucedidas.

Até dizem por aí que é mais fácil gostar das duas versões quando você assiste o filme primeiro, o que, talvez seja verdade. Nesse Top 5, eu listo minhas obras favoritas em que gostei tanto da versão literária, quanto da cinematográfica, e a quinta posição é a única em que experimentei o livro antes.

Seja como for, aqui vai a lista. Quem quiser, pode deixar outras obras nos comentários.

5 – Solaris, de Stanislaw Lem


O livro é um sci-fi que narra os estudos mal-sucedidos de um grupo de cientistas em Solaris, um planeta completamente coberto por um oceano que, na verdade, é uma forma de vida inteligente. Ao mesmo tempo, o oceano também parece estudar os exploradores, criando replicas de pessoas que estes conheceram no passado. É o que acontece com o psicólogo Kris Kelvin, que se depara com uma sósia de sua falecida esposa.

Já foram duas adaptações para o cinema: uma de 1974 e outra de 2002, com George Clooney no papel de Kelvin. Essa segunda adaptação mantém a ideia original, mas traz uma abordagem bem diferente, com um foco maior no triller  psicológico e na relação de Kelvin com a réplica de sua amada. Ao invés de um planeta, temos uma estrela próxima ao fim de seu ciclo. O resultado são duas obras diferentes entre si, mas ambas são bem legais.


4 – Jogos Vorazes, de Suzanne Collins


A trama do livro (o primeiro volume de uma trilogia) gira em torno dos Jogos Vorazes, um reality show brutal, organizado pelo governo, em que 24 adolescentes são deixados em um ambiente hostil para se digladiarem até que apenas um saia com vida. Quando sua irmã caçula é sorteada para participar dos Jogos, a jovem caçadora Katniss Everdeen se oferece como voluntária para tomar o lugar dela.

O longa de 2012 não foi apenas um gigantesco sucesso, como também trouxe dois elementos incomuns para os blockbusters hollywoodianos: uma boa personagem feminina como heroína de ação e uma crítica social forte. O filme é bastante fiel ao livro e ainda tem Jennifer Lawrence (perfeita como Katniss) no elenco.


3 – Frankenstein, de Mary Shelley


O livro narra a infeliz trajetória de um cientista chamado Victor Frankenstein, revelando como sua obsessão com a vida e a morte o levou a estudar ciências até se tornar capaz de criar uma criatura inteligente em seu laboratório. A narrativa prossegue relatando a série de eventos  trágicos que levara criatura e criador a se voltarem um contra o outro.

Frankenstein e seu Monstro já deram as caras em incontáveis filmes. O meu favorito é Frankenstein de Mary Shelley (1994), com Kenneth Branagh e Robert De Niro. O longa tem uma atmosfera gótica que casa bem com a ambientação do livro e se mantém fiel ao original, fazendo mudanças apenas no arco que envolve a Noiva do Monstro.


2 – Drácula, de Bram Stoker


Por meio de relatos, o livro conta como o vampiro Drácula engana o corretor Jonathan Harker para comprar terras na Inglaterra e viaja para Londres, onde passa a assediar Mina Murray e sua amiga Lucy. Alertado da ameaça, o professor Van Helsing reúne um grupo, que inclui seu pupilo Jack, um americano chamado Quincy Morris, o noivo de Lucy, Arthur, além do próprio Harker. Juntos, eles iniciam uma luta contra as diabólicas forças de Drácula.

Como um dos maiores ícones da cultura pop, Drácula está presente em uma lista interminável de games, HQs e filmes. No cinema, acredito que a obra que melhor adaptou o livro foi Drácula de Bram Stoker (1992). Com direção de Francis Ford Copolla e um elenco estrelado, o filme traduz a linguagem do romance do século 19 para os tempos modernos. Mesmo as pequenas mudanças funcionam bem. Aqui temos a figura do vampiro sedutor em sua melhor forma.


1 – Entrevista Com o Vampiro, de Anne Rice


No livro, o charmoso Louis de Pointe conta a um jovem repórter a história de seus 200 anos de vida. Louis narra como, após a morte do irmão, conheceu o belo Lestat, que o transforma em vampiro e o conduz pelos caminhos dessa nova vida. Anos mais tarde, eles transformam uma menina chamada Cláudia em vampira. À medida que a mente de Cláudia envelhece, o trio compartilha uma relação cada vez mais complexa.

Em 1994, o livro ganhou uma excelente adaptação com um elenco recheado de galãs e uma jovem Kirsten Dunst. O longa é bem fiel ao enredo original, mas com uma abordagem diferente, mais focada nas alegorias e na figura romântica do vampiro, enquanto que a obra de Rice fala sobre a atração irresistível exercida pelo sobrenatural. Eu recomendo tanto o livro, quanto o filme. São experiências diferentes que se complementam com perfeição.