30 de nov de 2013

[Game] Grand Theft Auto V

Grand Theft Auto V é o novo capítulo da controversa série de jogos da Rockstar. Uma palavra sobre esse game: Uau! Comecei minha primeira sessão com as expectativas lá no alto e tenho que dizer que GTA 5 superou todas elas!

Quem experimentou os games anteriores ou já está habituado à mecânica de jogos de mundo aberto não deve esperar por grandes inovações.

Não, o que realmente destaca esse game dos demais é a quantidade inacreditável de possibilidades: desde dirigir carros e motos à pilotar helicópteros, aviões e submarinos; de jogar tênis ou golfe à praticar ioga; de administrar seu próprio negócio (lícito ou não) à investir em ações na bolsa de valores, de dar um rolé com os amigos à colecionar fotos das strippers com as quais você dorme. E isso é só um pouco (quase nada) da lista imensa de coisas para se fazer na cidade fictícia de Los Santos.

Aliás, todos os aspectos do jogo são grandiosos. O tamanho da cidade é absurdo, como também é o cuidado com os detalhes. É possível notar a textura do asfalto enquanto dirige, as ruas são sinalizadas, todas as lojas têm nomes e por aí vai. Nenhum outro game conseguiu emular o mundo contemporâneo nesse nível.

A maior inovação que GTA 5 trás em matéria de gameplay é o fato de termos não um, mas três personagens principais. São eles: Michael De Santa, um ladrão de bancos aposentado que vive em uma mansão e está sempre em pé de guerra com a esposa e os filhos; Franklin Clinton, rapaz do subúrbio que mora com uma tia bagaceira e vive de pequenos golpes, mas que está cansado de se arriscar por ninharias; e Trevor Phillips, um antigo parceiro de Michael que pode ser descrito como um sujeito psicótico, violento e alucinado… não só é um maníaco, como gosta disso!




Como é possível alternar entre eles quase que livremente (dentro e fora das missões), cabe ao jogador a tarefa de cuidar da aparência, casas, carros, roupas, economias, equipamentos e negócios de cada um dos três. Isso dá uma perspectiva totalmente nova ao jogo.

Os games da Rockstar são conhecidos por serem polêmicos e GTA 5 não foge à regra. Nossos “heróis” são pessoas que vivem à margem da lei (cabe ressaltar que pessoas honestas são raridade em Los Santos). Roubar carros, usar drogas, aplicar golpes milionários, fugir da polícia… tudo isso é rotina! O jogo chega ao extremo de ter uma cena de tortura interativa, onde o jogador escolhe uma "ferramenta" e deve executar comandos para utilizá-la no pobre torturado.

Mas para aliviar o clima pesado, tudo é pontuado por muito, muito humor negro. Especialmente nos desenhos e reality shows que o jogador pode assistir na TV, que criticam de forma bastante ácida o que anda passando pelas telinhas atualmente.

Se você não lida bem com o politicamente incorreto, Grand Theft Auto V não é o seu jogo. Caso contrário, é um game imperdível! Não só um dos melhores do ano, mas um dos melhores em todos os tempos!




16 de nov de 2013

[Dicas para escrever] Foco Narrativo, com Pedro Bandeira

Hoje quero trazer para vocês uma aula sobre foco narrativo com um professor bem especial: Pedro Bandeira, autor de Os Karas. Para quem não conhece, essa é uma das séries infanto-juvenis mais bem-sucedidas da literatura nacional. As histórias acompanham as aventuras de um grupo formado bom cinco colegas do colegial: Miguel, Calú, Crânio, Chumbinho e Magrí, que a cada livro se vêem em uma nova trama de mistério, suspense e perigo.

Em ordem, os livros são:
- A Droga da Obediência;
- Pântano de Sangue;
- Anjo da Morte;
- A Droga do Amor;
- Droga de Americana.

Nas seis aulas abaixo, Pedro Bandeira fala sobre um tema de suma importância na hora de escrever um livro: a narrativa. Os temas abordados vão desde o narrador à como envolver os leitores de forma emocional. A linguagem utilizadas é simples, mas trás dicas preciosas. Vale a pena ver!

Lembrando que os vídeos compartilhados aqui no blog e na fanpage estão disponíveis na minha playlist Baú do Joe. Até!

Nota: Não foi possível incorporar o primeiro vídeo, mas a clicando no link do título do vídeo abaixo, você pode ver todas as aulas.

9 de nov de 2013

Conto - A Carta Para O Doutor

Como sou curadora do museu municipal, muita gente pensa que passo o dia inteiro sem fazer nada além de admirar arte. Bom, pode não ser o emprego mais pesado do mundo, mas têm dias e dias. Hoje estou fazendo hora extra noite afora para preparar uma grande exposição de esculturas para a próxima semana e devido a vários probleminhas, as obras só foram entregues no fim do expediente.

Dou um giro pelo museu para ver se está tudo em ordem. Caminho sozinha pelos corredores e não demora para ver algo fora do lugar. Alguém colocou um grupo de uma dúzia de pequenas gárgulas de pedra na sala barroca, ao invés da gótica. Depois resolvo isso. Agora, preciso cuidar da remoção das últimas peças da exposição anterior Engraçado. Em uma segunda olhada, algumas gárgulas parecem estar em posições diferentes.

Minha imaginação está me pregando peças.

Na sala seguinte, me deparo com outro problema. Apanho o rádio no meu cinto e me volto para a câmera no canto da sala.

8 de nov de 2013

[Dicas para escrever] Lembra desse? Quadrinize

Quem me acompanha a algum tempo deve se lembrar da Quadrinize. Projeto do qual participei em meados de 2010. A Quadrinize era um site de dicas para quem queria fazer quadrinhos. Entre o material disponível era possível encontrar colunas sobre roteiro, narrativa, ambientação, clichês, gêneros e mais.

Tanto material bom não poderia ser simplesmente deixado de lado.

Graças ao site Web Archive, especializado em guardar a memória da internet é possível matar um pouco da saudade. Não se trata de um resgate completo, nem todos os textos estão disponíveis e não é possível visualizar as imagens, mesmo assim ainda tem muito para ser aproveitado por lá.