27 de abr de 2013

Prévia de Arena de Fábulas

Eu já mostrei o preview de Esquadrão Terror, título da Blue Comics que eu estou roteirizando. Bom, esse não é o meu único projeto ligado a essa editora. Quero apresentar a vocês uma nova HQ ao melhor estilo Jogos Vorazes e Battle Royale.

Arena de Fábulas será uma minissérie em 5 edições. O roteiro é meu, os desenhos são de Renato Moraes e as cores de Emanuel Iones. A previsão de lançamento é para o segundo semestre.

Seguem a sinopse e o preview.

O Mundo das Fábulas está perto do fim! Um grande perigo ameaça a vida de todos e seus efeitos já começam a ser sentidos! Um poderoso vilão irá se aproveitar do caos para lançar os personagens dos contos de fadas em uma série de batalhas até a morte! Chapeuzinho Vermelho, João do Pé-de-Feijão, Branca de Neve, Robin Hood, Peter Pan e muitos outros se encontrarão na arena. Quem sairá vivo?






20 de abr de 2013

[Resenha] A Aldeia de Stepántchikovo e Seus Habitantes, de Dostoiévski


Confesso que fiquei em dúvida se deveria, ou não fazer uma resenha desse livro. É muito mais comum encontrar análises de obras recentes, que o público ainda não conhece bem. Resenhas de clássicos são mais raras, especialmente quando se trata de um Dostoiévski, autor cujo nome é próprio gênero. Mas a medida que minha leitura avançava foi ficando cada vez mais claro que sim, essa obra pedia uma análise mais detalhada, pois tem muito a oferecer.

A Aldeia de Stepántchikovo e Seus Habitantes é uma obra de 1859, escrita na chamada primeira fase de Dostoiévski (para se der uma idéia, Crime & Castigo e Os Irmãos Karamazov são da segunda fase do autor) e não se trata de mais um grande drama, e sim de uma comédia. Minha versão desse livro é a publicada recentemente pela editora 34, e conta com um acabamento muito bom: boa tradução, ilustrações e várias notas de rodapé que ajudam a entender certas questões culturais. Uma curiosidade: a versão da editora Nova Alexandria apresenta o nome da aldeia ligeiramente diferente: Stiepántchikov, não tenho certeza da razão dessa diferença, mas acredito que seja apenas uma nuance de tradução.

A história começa quando o jovem Sergei Aleksandrovich recebe uma carta de seu tio, Iegor Ilich convidando-o para visitar sua fazenda em Stepánchikovo. A carta é desconexa e fala de forma confusa sobre um certo desespero e sobre uma proposta de casamento para o rapaz. Chegando à casa do tio, Serguei se depara com uma casa ocupada, não apenas por seus parentes, como também por um batalhão de agregados. Tipos excêntricos dominados pela ambição e pela mesquinharia.

Embora muito do que se passa na casa pareça surreal a primeira vista (lembrem-se de que é uma comédia), ao mesmo tempo as figuras com as quais nos deparamos nos soam muito familiares em suas paixões, seus desejos e, principalmente, em seus defeitos. Vale notar que Iegor Ilich, talvez o único personagem totalmente integro e de boa índole é um fraco, tornado-se um servo em sua própria casa.

Mas sem dúvida, o personagem que mais se destaca é Fomá Fomich. Antes um bufão, ele agora vive de favor na casa de Iegor, onde, por meio de discursos inflamados, convenceu a todos de que é um erudito sem igual e que apenas através de seus conselhos poderão se tornar pessoas melhores, quando na verdade, ele próprio, Fomá é vaidoso e prepotente ao extremo, um verdadeiro tirano que não perde uma chance de humilhar aqueles à sua volta. Porém, como é um falastrão de primeira, sempre consegue justificar suas atitudes e virar as opiniões a seu favor.

Como se trata de um livro escrito no século 19, a linguagem é rebuscada. Outro obstáculo que os leitores podem encontrar são os nomes russos, que para nós, brasileiros, soam exóticos e de difícil pronúncia. O livro foi originalmente pensado como uma peça de teatro, mas depois foi convertido para o formato de romance. Mesmo assim, o DNA teatral se faz sentir: toda a história se passa em um espaço curto de tempo, e os diálogos e monólogos dão o ritmo da narrativa.

A Aldeia de Stepanchikovo e Seus Habitantes não é recomendado como primeira leitura de algum novo leitor, sendo mais aconselhado para quem já tem o hábito desenvolvido. Trata-se de uma leitura divertida, que nem de longe é tão pesada quanto o nome de Dostoiévski possa sugerir.

FICHA TÉCNICA
A ALDEIA DE STEPANCHIKOVO E SEUS HABITANTES

Autor: Fiodor Dostoiévski
Ano de publicação: 1859
Numéro de páginas/editora: 352 (editora 34); 340 (Nova Alexandria, 2010); 249 (Nova Alexandria, 2001)

13 de abr de 2013

[Resenha] Filme: Dentro de Casa

"O leitor é como o Sultão da Sherazade. Aborreça-o e ele cortará sua cabeça, mas divirta-o e ele entregará o coração a você."
Essa talvez seja a melhor analogia sobre a relação autor/leitor que já vi. A frase aparece no filme Dentro de Casa (Dans la Maison), obra do diretor francês François Ozon que pode ser vista sobre vários aspectos distintos: um drama da classe média, um exercício de metalinguagem, mas também um grande estudo sobre roteiro.

Para ser sincero, eu não conhecia o filme e acabei assistindo por indicação do meu irmão. Uma excelente indicação, por sinal!

Germain (Fabrice Luchini) é um professor de literatura ranzinza que se surpreende com uma redação de um aluno adolescente, Claude (Ernst Umhauer) onde o rapaz conta, de forma irônica, como foi conhecer a casa e a família de seu colega Rapha Artole (Bastien Ughetto). O texto ainda termina com a expressão “continua…”, despertando assim a curiosidade de Germain que vê no jovem um talento em potencial e o estimula a seguir visitando seu amigo para contar a história daquela família.

Completam os Artole, Rapha-pai (Dénis Minochet), um executivo frustrado e atleta de fim-de-semana, e a mãe, Esther (Emmanuelle Seigner), a "mulher de classe média" por quem Claude se sente cada vez mais fascinado.

A cada novo capítulo entregue pelo jovem, vemos seus textos ganharem vida na tela. É aqui que o filme usa a voz de Germain para dar uma verdadeira aula de roteiro: construção de trama, narrativa, motivações dos personagens, etc. Todos os principais elementos que compõe uma história são abordados. Em vários momentos, Claude é instigado por seu professor a se perguntar sobre o quê está escrevendo, para quem e por quê.

Mas Dentro de Casa não se limita a aulas convencionais. A metalinguagem está presente em ótimas sequências onde Claude e Germain aparecem ao fundo discutindo sobre uma cena sem serem ouvidos pelos personagens. Tanta argumentação sobre roteiro faz desse filme uma ótima referência para os novos autores, e até para os mais experientes.

É interessante notar que, como qualquer jovem autor, Claude ainda tem um estilo inconsistente: ora paródia, ora romance, ora suspense... e graças a essa inconsistência intencional, o longa apresenta uma mistura de gêneros e sempre fica no ar a dúvida se o que estamos vendo é a realidade ou apenas foi criado pelo jovem escritor.

Em resumo, Dentro de Casa possui várias facetas diferentes, todas muito bem amarradas. Mesmo que você não esteja pensando em escrever nada, é um filme que vale a pena ser visto. Recomendado!

Infelizmente os trailers com legendas em português estavam com a função "incorporar" bloqueada, mas você pode ver o trailer legendado clicando aqui. Vale ressaltar que ele não capta a essência do filme com perfeição, passando a ideia de um clima mais pesado do que vemos na tela.

6 de abr de 2013

HQs da Blue Comics de graça

Após o lançamento de seu novo site, a Blue Comics está disponibilizando suas HQs já lançadas para download através do sistema Pague com um Tweet.

Para ter acesso aos links basta acessa a página do projeto #QuadrinhosParaTodos e clicar em uma das caixas de texto, a seguir você escolhe se quer "pagar" pelo download com uma tuítada ou com uma mensagem no Facebook.

As HQs disponíveis são Bergman #01, Registros #01, Zero #01, Que País é Esses? #01 e a prévia do novo título Molotov.

[Atualização] Pois é, a promoção chegou ao fim, mas os preços estão bem camaradas, então não tem desculpa pra não ler!