28 de out de 2010

Dr. Caligari em Quadrinhos


Lançado em 1920, ou seja a quase 1 século, O Gabinete do Dr. Caligari ainda hoje é considerado um dos melhores filmes de terror de todos os tempos.

Também é, ao lado de Nosferatu, um dos ícones do cinema expressionista alemão. Um movimento que revolucionou a sétima arte, apresentando uma nova estética, cenários pertubadores e trilhas sonoras góticas (que naquela época eram executadas por músicos ao vivo, ou por gravadores).

No livro Caligari: do cinema aos quadrinhos. o roteirista Gian Danton apresenta um excelente estudo sobre o expressionismo alemão, além de uma adaptação em quadrinhos desse grande filme, com arte de José Aguiar.

O melhor de tudo, é grátis. Para adquirir gratuitamente uma cópia do arquivo, basta enviar um e-mail para a editora Marca da Fantasia.

Uma leitura imperdível!

12 de out de 2010

New Game


Feriadão, todo mundo de folga... então ao invés de falar sobre quadrinhos hoje eu quero falar sobre um dos meus passatempos favoritos... games.

Passatempo que, por sinal tem uma grande influência na minha obra.

Também pudera, eu já tive um Atari 2600, depois um Nintendinho, e aí segue a evolução com o Super Nintendo, Play Station 1 e agora estou no Play Station 2, onde eu devo ficar mais algum tempo devido a questões financeiras...

Bom, quero compartilhar com vocês alguns links sobre o mundo dos games.

Game Up - é um programa que vai ao ar pela ESPN Brasil, tem notícias, reviews, reportagens. No site dá pra assistir o programa completo sem pagar nada.

Game Trailers - site que é referência quando se trata de previews, novidades e video reviews. Também tem o impagável Angry Video Game Nerd, que detona os piores jogos de todos os tempos. Mas é tudo em inglês.

Game FAQs - outro site em inglês. Tem um gigantesco acervo de dicas (cheats), saves pra baixar e detonados (walktroughs) detalhados.

Por hoje é só, e no próximo post voltaremos a programação normal.

7 de out de 2010

A História Sem Fim


Desde que os mangás invadiram as bancas muitas pessoas começaram uma guerra: de um lado os fãs de comics, de outros os fãs de mangás, e no meio do fogo cruzado ficavam os mais espertos desfrutando o melhor dos dois mundos.

E uma afirmação que se ouvia muito era que os mangás eram melhores porque, ao contrário dos comics tinham começo, meio e fim bem definidos.

Atualmente, porém essa afirmação vai ficando cada vez mais batida, a medida em que vão se multiplicando títulos longevos como Naruto e Bleach, que seguem atravessando os anos sem perspetiva de terminarem em um futuro próximo.

Mas esses não são os únicos exemplos de mangás intermináveis. E é aqui que entra em cena uma palavra que se tornou o pesadelo dos leitores: hiato.

Se você prestou atenção às aulas de grámatica sabe que hiato é o encontro de duas vogais em sílabas diferentes, mas no mundo otaku hiato é o nome que se dá a uma pausa na publicação de algum título que pode durar alguns meses ou até mesmo anos!

É o caso de Hunter x Hunter, de Yoshihiro Togashi que já sofreu looongas pausas inúmeras vezes, por problemas de saúde do autor, para que ele saísse em lua-de-mel, ou sem nenhuma razão aparente.

Outro caso é o de Evangelion, de Yoshiuki Sadamoto que começou a ser publicado em 1995 e continua até os dias de hoje! Em todo esse tempo foram lançados apenas 12 volumes no Japão (ou seja, pouco mais de 1 por ano). Não há nenhuma razão específica para esse ritmo lento, além da própria disposição do autor em (não)trabalhar.

Agora Eva está de volta pela JBC, que vai continuar a história de onde a Conrad parou. Mas sinceramente, eu pretendo deixar minha coleção incompleta. Um pouco por ideologia, e muito por simples perda de empolgação, afinal já vão mais de três longos anos desde que a última edição chegou as bancas brasileiras.

É bom lembrar que hiatos não são exclusividades dos japoneses. Na Europa, as publicações têm um ritmo mais lento chegando a extremos como a minissérie francesa Lunna (de Crisse e Keramidas) que teve suas 5 edições publicadas ao longo de seis anos. Já nos Estados Unidos, a revista Buffy, the Vampire Slayer ficou parada por cerca de seis meses.

Sejam quais forem as razões, eu acredito que hiatos e edições anuais são uma grande falta de respeito com os leitores, sem falar na falta de comprometimento e profissionalismo! Além de um grande problema comercial, já que a regularidade gera fidelização, por outro lado grandes pausas e irregularidade levam à disperção dos leitores.

Ora se alguém quer que eu leia a sua história, deveria, no mínimo fazer uma.

4 de out de 2010

[Dicas para escrever] Criação de Personagens - parte 2


Pra quem não viu, da última vez nós falamos aqui sobre algumas dicas para criação de personagens.

Agora vamos com a segunda parte dessas dicas, com uma ficha de personagem no final.

Personalidade

Chegamos agora a parte mais complexa da criação de personagens: a personalidade. Aqui será preciso se passar um pouco mais de tempo pensando do que nas outras etapas. Mas com certeza é um esforço que vale a pena, pois quanto mais tempo você passar elaborando a personalidade, menor é a chance de criar um personagem clichê.

Na hora de definir a personalidade vale a mesma regra sobre o passado. Mesmo que os leitores não saibam de certos elementos sobre a personalidade e a psicologia desse ou daquele personagem, é importante que o roteirista saiba, para escolher melhor suas ações.

Talvez a melhor forma de tornar um personagem mais realista seja acrescentar algumas incoerências e/ou defeitos em sua personalidade. É o que acontece com Yukino Miyazawa, do mangá Kare Kano (de Tsuda Masami), na escola Yukino é uma aluna-modelo, inteligente e prestativa, mas em casa ela se mostra relaxada e preguiçosa. Já nos comics, basta ver como Batman, mesmo sendo heróico e honesto também é obsessivo e manipulador.

Esse é um bom ponto para começarmos. Quais são as melhores qualidades e os piores defeitos do seu personagem? Quais são seus medos?

Depois vamos pensar nos objetivos do seu personagem, afinal são suas metas que o impulsionarão para frente e o manterão firme nos momentos difíceis. Um objetivo pode ser algo longo e interminável (um super-herói que jurou combater o crime), ou algo que ele/ela possa concretizar algum dia, (como Naruto que sonha em ser o líder da Vila da Folha).

Quais são os objetivos de seu personagem? Por que ele/ela quer isso? O que fará para alcançar seu sonho? Quais são seus maiores obstáculos?

E como ninguém é uma ilha, o nosso personagem terá de se relacionar com as pessoas à seu redor. O comportamento é a característica mais marcante de um personagem, é o que define como ele ou ela será visto e lembrado pelos leitores.
O que o seu personagem pensa sobre as pessoas à sua volta? E sobre as pessoas em geral? O que ele/ela pensa sobre si mesmo(a)? Como as outras pessoas o vêem?

Peculiaridades

Existem mais alguns detalhes extras que podem ser incorporados ao personagem, as peculiaridades. São pequenas coisas do cotidiano que, talvez não acrescentem nada a história, mas acrescentam mais cor ao personagem.

Coisas do tipo, qual é o prato predileto do personagem? Ele ou ela tem algum hobby? Algum animal de estimação? Ele/ela sente atração por que tipo de mulher/homem?

Ficha

Muitos roteiristas, tanto veteranos, quanto novatos gostam de elaborar fichas de personagens na hora da construção. Aqui vai uma ficha criada por mim, repassando o que vimos nesse aqui. É possível achar fichas muito mais detalhadas na internet.
FICHA DE PERSONAGEM

Bom pessoal, é isso. Espero que essas dicas possam ser úteis e lembrem-se: escrevam sempre!